Na noite de Natal, Igreja Matriz de Santa Felicidade completa 125 anos

Arquiteto e construtor da Igreja, Pe. Pietro Colbacchini relatou em cartas como foi a construção e a inauguração da Igreja São José

Pedro Henrique Colatusso
PASCOM – Paróquia São José e Santa Felicidade

16-paroquia

Os imigrantes italianos que fundaram Santa Felicidade trouxeram em suas bagagens sonhos, expectativas e também a fé em Deus. Fé que os fez desde o início construir uma pequena Capela de madeira para transmitir a catequese às crianças e celebrar os sacramentos. Porém, ela passou a ficar pequena quando, em 1886, a chegada de um missionário italiano mudou os rumos da história.

Pe. Pietro Colbacchini exercia sua missão nas fazendas de café do interior de São Paulo quando soube das necessidades dos italianos estabelecidos em colônias nos arredores de Curitiba. Com a autorização do bispo de São Paulo, veio para o Paraná. Seu primeiro trabalho foi a pregação de uma missão em Santa Felicidade. Durante os 15 dias em que permaneceu, os colonos sentiram-se revigorados, entusiasmados pelo fato de verem um padre como eles, falando o mesmo dialeto e portando as mesmas tradições culturais. Em Curitiba, Pe. Colbacchini morava na Colônia de Água Verde, mas percorria incansavelmente todos os núcleos italianos da região, que iam de Morretes a Rondinha; de São José dos Pinhais a Colombo.

Através das cartas que Pe. Colbacchini escrevia a seus superiores na Itália é possível saber detalhes do crescimento da fé dos imigrantes e também da construção de igrejas, como a Matriz São José de Santa Felicidade, por ele projetada. Em 1888, escreveu: “A colônia Santa Felicidade, composta por 130 famílias, já possui uma igreja bastante decente, de madeira, mas já se está começando uma igreja ampla e bonita”. No ano seguinte, Colbacchini já descrevia mais detalhes. “Os muros já alcançaram 2 metros, e chegarão à altura de 15. Esta obra me obriga a ir até Santa Felicidade mais frequentemente.”
Colbacchini projetou uma igreja considerada por ele como “magnífica”. “A Igreja tem 36 metros de comprimento e 16 de largura, tem 3 naves formando uma cruz grega. A altura da nave central será de 12 metros e meio.”

No Natal de 1891, a inauguração da Igreja de São José contou com celebrações que atraíram, segundo as cartas de Colbacchini, milhares de pessoas. Durante a semana, foram sendo realizadas procissões levando os quadros e imagens da capela de madeira para a nova igreja. Mas foi na noite da quinta-feira, 24 de dezembro, que aconteceu a mais solene procissão, levando o Santíssimo Sacramento. “A rua do trajeto estava ornamentada com numerosos arcos e árvores iluminadas por balões de várias cores. Quase todos os que acompanhavam a procissão (mais de 2 mil pessoas) levavam nas mãos velas acesas. O silêncio, a escuridão, a devoção e a harmonia dos cantos que repercutia nos arcos da nova igreja, enchiam a todos de viva emoção”, relatou Pe. Colbachinni.

Naquela noite a igreja comportou apenas uma terceira parte dos fiéis. Feita a adoração até meia-noite, começou a Missa Solene, que durou até duas da madrugada.

125 anos depois, a Paróquia São José e Santa Felicidade está iniciando o processo de restauração da Igreja Matriz. Foram contratados profissionais especializados que desenvolveram um projeto completo, já aprovado pelas autoridades civis e eclesiásticas. Nesse processo, a ajuda da comunidade será essencial para que a Igreja São José recupere as características originais projetadas por Colbachinni.

Igreja Matriz de Santa Felicidade com a fachada original, alterada quando da ampliação da Igreja em 1928

 

Pe. Pietro Colbacchini
Curta Nosso Facebook
Comissões Pastorais

Boletim Informativo