10 Anos do Documento de Aparecida, e ainda a urgência de discípulos e missionários para uma Igreja em saída

Pe. Rivael de Jesus Nacimento

Reitor do Santuário Nossa Senhora de Lourdes – Campo Comprido – Curitiba

De 13 a 31 de maio de 2007 acontecia a V Conferência Episcopal Latino-Americana e do Caribe, na cidade de Aparecida. O evento dentro do contexto eclesial sugeriu vários pontos de partida para toda a igreja latino-americana e caribenha. Muitos princípios são extraídos na essência do Concílio Vaticano II, este que foi uma “revolução copernicana” sobre todos nós evangelizadores e nossa maneira de pensar a pastoral.

Ainda quando era criança, vi um frei capuchinho chegar à minha paróquia de origem, nos idos de 1980, e com seus dons e seu carisma, de maneira simples, quis atualizar a proposta do Vaticano II sobre toda a paróquia, que até hoje é a maior da Arquidiocese. Sim, este padre é o Frei Ivo Bonamigo, que atualmente reside nas Mercês, e que vejo como um pastoralista no meio do Povo de Deus, que soube aplicar com maestria todas as contribuições conciliares, desde o Açungui até a criação de novas comunidades em toda a vida urbana do município de Rio Branco do Sul. Como ampliar os horizontes do Concílio Vaticano II, como ler e aplicar como este padre o fez?

Os anos seguiram e também Santo Domingo, conferência de 1992, trouxe muitas contribuições no desejo da Nova Evangelização. E a caminhada segue até 2007, com Aparecida. Creio que meu exemplo acima, do Frei Capuchinho ansioso e esperançoso para atualizar o Concílio Vaticano II, traz a mesma esperança de Aparecida, que é a evolução do pensamento dentro da nova realidade que as nossas comunidades  apresentam. Tenho certeza que muito aprendemos com o texto de Aparecida e suas contribuições. Há dez anos, na paróquia em que me encontrava Anjo da Guarda, tive muitas conversas com os animadores de comunidade, e o desafio era a setorização. E ainda hoje me vejo focado nestas linhas de ação.

Aqui destaco outros pontos de Aparecida, que ainda considero relevantes. Sem dúvida uma das linhas de frente é a promoção humana e que abre as perspectivas para que os seres humanos se relacionem. Na era da técnica e das redes continua este ponto atual. Como precisamos promover o ser humano para que este seja sujeito de seu próprio desenvolvimento e se insira na comunidade.

Outro ponto é a conversão pastoral, esta ainda é desafiadora em nosso tempo.  Somos convidados a superar a igreja de cristandade, para uma pastoral orgânica e estruturada. Creio que demos passos significativos. Mas ainda não podemos ser vencidos pelos limites, e com o pontificado do Papa Francisco testemunhamos uma igreja em saída, para que possamos estar nas periferias existenciais.

Uma terceira dica que aqui prescrevo é que não percamos o itinerário para fazermos novos discípulos missionários. O caminho que se deve seguir é este:

  1. A experiência da fé – em tempos que dormimos em cima do relógio, sempre é urgente e devemos ter a ousadia do despertar para a fé, no encontro pessoal com Cristo e sua experiência profunda.
  2. Formação bíblica e teológica – para todos os que estão na pastoral, em nossa arquidiocese o empenho nesses últimos anos em levar a sério este quesito e tantas oportunidades que temos em nossa igreja particular. Assim, teremos um crescimento nos discípulos espiritual e comunitário.
  3. Uma Igreja da acolhida – a valorização de cada um e a inclusão na vida comunitária.
  4. Um compromisso missionário de toda a comunidade.

Muito temos que aprimorar do Documento de Aparecida, já demos muitos passos e o Papa Francisco muito tem nos ajudado. Ele conhece bem o texto, pois foi secretário e relator da conferência. A estrada é longa o Documento precisa ser ainda testemunhado com maior empenho na vida pública, no mundo urbano e no mundo das comunicações.

 Em tempos que precisamos de muitas respostas, nos unamos com todas as nossas comunidades e com todos os que assumem seu batismo, trabalhando pelo Reino nesta causa. A causa do Reino da Vida. Ainda precisamos de muitos testemunhos em muitos lugares que necessitam de luz no meio das sombras. Você está fazendo sua parte? Tenha este desejo de ser discípulo missionário! Tenhamos todos!