Sagrado Coração: Do lado ferido de Jesus nasceu a Igreja

O Sagrado Coração de Jesus é uma solenidade da liturgia da Igreja Católica, comemorada na segunda sexta-feira após o Corpus Christi. Além disso, essa devoção também é cultivada pela Igreja ao longo de todas as primeiras sextas-feiras de cada mês.

Este ano, a solenidade do Sagrado Coração será celebrada no dia 8 de junho, próxima sexta-feira. Para cultivar a reflexão sobre essa devoção, a Arquidiocese de Curitiba traz o artigo do Pe. Maurício Gomes dos Anjos, reitor e pároco do Santuário Sagrado Coração de Jesus de Curitiba.

Clique aqui para acessar a programação da Festa do Sagrado Coração em Curitiba

 

sagrado-coracao

 

“O fruto desta entrega total em favor da humanidade se evidencia em dois sinais que brotaram do Coração de Jesus: a água e o sangue” (São João Crisóstomo)

 

O mês de junho é dedicado ao Sagrado Coração de Jesus e, como preparação para tal solenidade, necessitamos de um aprofundamento nesta devoção, que é tão importante para os cristãos comprometidos com a Igreja.  De onde provém este caminho proposto pela Igreja? Onde está fundamentada essa espiritualidade? Como tornar-se testemunha autêntica da fé cristã nos tempos atuais? Essas questões encontrarão respostas na medida em que o ser humano deixar-se guiar pelo próprio Cristo no mistério de sua vida, missão, paixão, morte e ressurreição.

O mistério da vida de Jesus é marcado pelo coração misericordioso de Deus, que nunca abandona ninguém. Embora o coração humano esteja marcado pelo pecado, levando-o para outros caminhos, o retorno para Deus se encontra no mistério da encarnação. “Quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei, a fim de redimir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a adoção de filhos” (Gl 4,4-5).

Assim, a vinda de Cristo e sua missão no mundo tornou-se o grande sinal da salvação de toda a humanidade. Deus se rebaixou para elevar a dignidade humana. “No momento em que vosso Filho assume nossa fraqueza, a natureza humana recebe incomparável dignidade: ao tornar-se ele um de nós, nós nos tornamos eternos” (Prefácio do Natal, III). O próprio Jesus nos ensinou a fidelidade e a obediência ao projeto do Pai. “E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz!” (Fl 2,8). E o fruto desta entrega total em favor da humanidade se evidencia em dois sinais que brotaram do Coração de Jesus: a água e o sangue.

“Queres compreender mais profundamente o poder deste sangue? Repara de onde começou a correr e de que fonte brotou. Começou a brotar da própria cruz, e a sua origem foi o lado do Senhor. Estando Jesus já morto e ainda pregado na cruz, diz o evangelista, um soldado aproximou-se, feriu-lhe o lado com uma lança e imediatamente saiu água e sangue: a água, como símbolo do batismo; o sangue, como símbolo da eucaristia. O soldado, transpassando-lhe o lado, abriu uma brecha na parede do templo santo, e eu, encontrando um enorme tesouro, alegro-me por ter achado riquezas extraordinárias. Assim aconteceu com este cordeiro. Os judeus mataram um cordeiro e eu recebi o fruto do sacrifício. De seu lado saiu sangue e água(Jo 19,34). Não quero, querido ouvinte, que trates com superficialidade o segredo de tão grande mistério. Falta-me ainda explicar-te outro significado místico e profundo. Disse que esta água e este sangue são símbolos do batismo e da eucaristia. Foi destes sacramentos que nasceu a santa Igreja, pelo banho da regeneração e pela renovação no Espírito Santo, isto é, pelo batismo e pela eucaristia que brotaram do lado de Cristo. Pois Cristo formou a Igreja de seu lado transpassado, assim como do lado de Adão foi formada Eva, sua esposa”. (Catequeses de São João Crisóstomo, bispo, Cat. 3,13-19: SCh 50, 174-177, séc. IV).

É do coração aberto de Jesus que nasceu a Igreja.  Esta é a grande missão daqueles que se dedicam à devoção ao Sagrado Coração de Jesus: unir-se ao mistério de sua vida, missão, paixão, morte e ressurreição.

 

Pe. Maurício Gomes dos Anjos

Diretor Espiritual Arquidiocesano do Apostolado da Oração

Reitor e Pároco do Santuário Sagrado Coração de Jesus