Iniciação à vida cristã: jovens se unem para continuar a caminhada após a Crisma

Há uma grande preocupação na Igreja com relação aos adolescentes e jovens que recebem os sacramentos da iniciação cristã. É preciso que haja um encantamento, uma atração para que esses crismados permaneçam na paróquia e sejam inseridos na vida de comunidade. Ainda são poucos os que perseveram.

Para isso, o trabalho dos leigos catequistas é fundamental. Abaixo, trazemos o relato do Santuário Santa Rita de Cássia, que tem conseguido manter os crismados na caminhada cristã a partir de um grupo de adolescentes:

 

foto-05
Grupo Conviver

 

“O sacramento da Confirmação é o início de uma caminhada cristã, não o encerramento da catequese, como pensa a maioria dos jovens. Por isso, ainda durante a catequese, o catequista deve incentivar o engajamento na Igreja e a comunidade paroquial deve oferecer os espaços necessários para acolher estes jovens.

Porém, na idade que recebem o sacramento da Confirmação, os adolescentes estão passando por uma fase de transição – da infância para a vida adulta. Uma fase caracterizada por muitas alterações de comportamentos e sentimentos. São inconstantes, inibidos e inseguros, seus interesses variam entre infantis e adultos, têm sede de amizade e aceitação do grupo.

Como Igreja, precisamos aceitar as transformações destes adolescentes e mostrar que ser Igreja traz alegria, usando este momento favorável para atraí-los no convívio de comunidade.

No Santuário Santa Rita de Cássia, paróquia em que participo, temos um grupo de adolescentes desde 2015 –  uma experiência que está dando certo! Esse grupo chama-se “Conviver”: a ideia é trazer os adolescentes para o convívio da Igreja, para que se sintam acolhidos na casa do Pai.

Pensando nas características dos adolescentes e preocupado com o uso exagerado das tecnologias que já ocupam a vida do jovem, o Pe. Anisio José Schwirkowski, antigo pároco do Santuário, chamou adolescentes de 12 a 16 anos para formar o grupo Conviver.

 

foto-04
Grupo Conviver

 

A princípio, o padre lançou a ideia e deixou que os próprios adolescentes organizassem o grupo, mas logo foram desanimando. Em 2015, o padre chamou os adolescentes Thomas Felipe Gueller e Lorena Ceconello Guimarães para iniciar novamente o grupo, mas com o apoio e monitoria de adultos.

O grupo se encontra todos os sábados à tarde e se organiza em quatro atividades básicas durante o mês:

  • Papo Jovem: é uma roda de conversas e reflexão sobre assuntos da atualidade e da Igreja.
  • Formação: convidam jovens para dar formação.
  • Caridade: promovem diversas atividades de ação social em asilos, entidades beneficentes e famílias carentes, além de ajudar a Pastoral Social e demais pastorais do Santuário.
  • Esporte: fazem atividades esportivas, jogos de bola, slackline, dinâmicas etc.

Quando o mês tem o quinto sábado, eles promovem um piquenique com passeios nos parques da cidade, distribuindo abraços grátis e evangelizando através do exemplo da alegria de ser católico.

Atualmente, o grupo Conviver está sob a coordenação dos adolescentes Thomas, 15 anos, e Laura Ceconello Guimarães, 17 anos. O grupo participa das reuniões do CPP, sempre com participação ativa em todas as atividades paroquiais.

Enfrentam ainda algumas dificuldades, como a assiduidade dos adolescentes, mas já colhem muitos frutos. Como o depoimento de alguns, que, depois que começaram a participar do Conviver, passaram a gostar mais da Igreja e a participar das missas.

“Na fase em que estão começando a descobrir como funciona muitas coisas, a conhecer novas pessoas e a descobrir o mundo, a gente sempre tenta mostrar para eles o limite, quanto às drogas, bebidas, namoro santo, castidade e sobre o valor da missa. Não basta só rezar, temos que buscar a Eucaristia. Também tratamos assuntos de fora da Igreja, orientando e ajudando a formar uma opinião sobre aquilo”, afirma a coordenadora Laura Guimarães.

Os adolescentes a partir de 12 anos, ainda na catequese, são convidados a participar do grupo; desse modo já se integram, fazendo amizades e tomando gosto pelo grupo. Eles tornam-se amigos, trocam experiências, aprendem a compreender melhor o outro e se tornam cristãos mais conscientes e participantes da Igreja. É lindo ver jovens fazendo essa caminhada de fé, assumindo a missão que receberam de serem evangelizadores”.

 

Karen Angélica Sônego Trevisan

Catequista Santuário Santa Rita de Cássia

Coordenadora Setor Boqueirão