Dom Fisichella fala sobre Nova Evangelização para o presbiterado de Curitiba

Na manhã fria desta terça-feira, 17 de maio, mais de 150 padres da Arquidiocese de Curitiba iniciaram o encontro de formação permanente na Casa de Retiros do Mossunguê. Para este ano, o arcebispo metropolitano convidou o renomado formador italiano dom Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização na Santa Sé.

Momentos iniciais

O encontro iniciou com a oração da liturgia das horas. Logo após, os presbíteros foram acolhidos por dom José Antonio Peruzzo, que agradeceu a presença de todos e ressaltou a importância das formações presenciais, principalmente nesse novo tempo de pós-pandemia.

Padres iniciaram o encontro com a oração da Liturgia das Horas.
Padres iniciaram o encontro com a oração da Liturgia das Horas.

Dom Peruzzo também pediu orações pelo arcebispo emérito dom Pedro Fedalto, que se encontra hospitalizado em função de uma infecção pulmonar e princípio de pneumonia, e pelo padre Marcos Just, que passou por um transplante renal há poucos dias.

 

Nova Evangelização

Com o tema “a Nova Evangelização”, dom Fisichella, com muito bom humor, iniciou sua fala: “Dom Peruzzo passou tantos temas para serem trabalhados em dois dias que o ideal seria trabalhá-los em um ano.” E continuou: “Estamos aqui para refletir um pouco sobre a missão de evangelizar que Jesus nos confiou. A evangelização é o mistério fundamental que nos é colocada nas mãos para que Jesus Cristo seja o verdadeiro símbolo da vida de cada pessoa.”

Nova Evangelização - Fisichella
Dom Rino Fisichella surpreendeu a todos quando iniciou sua formação em português.

Sobre a presença do formador estrangeiro, os padres da arquidiocese avaliaram como positiva. Alguns até comentaram que esperavam uma formação em italiano ou espanhol, conforme tinham sido informados, mas que foram surpreendidos pelo empenho de dom Fisichella em traduzir todo o conteúdo para o português.

“Na Teologia, estudei muitos livros dele e vejo este momento como uma experiência muito interessante”, disse o neossacerdote Matheus Marques de Matos. Para ele que passou a integrar o clero da arquidiocese no início do mês, o encontro vai além do aspecto formativo e propicia a integração, confraternização e fraternidade.

O padre Maurício Gomes dos Anjos, coordenador geral dos padres, destacou: “Dom Fisichella poderia fazer a formação de Roma, pois hoje temos a facilidade dos meios virtuais, mas o fato de estar presente nos estimula para que também estejamos unidos como irmãos no presbitério e para que enfrentemos os desafios pastorais dos tempos atuais, com uma postura de igreja em saída, de igreja missionária.”

A formação, embora presencial, está sendo transmitida para alguns padres que estão enfermos e para os que se encontram em missão na Amazônia.

__

Por

Rubhia Morais – jornalista

Setor de Comunicação da Arquidiocese de Curitiba