Fatos curiosos de igrejas que levam no nome a devoção aos Sagrados Corações de Jesus e Maria, em Curitiba

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria é mundialmente conhecida. Em Curitiba, três das quatro igrejas que levam no nome a devoção aos Sagrados Corações de Jesus e Maria são marcadas por fatos curiosos. Confira:

 

Paróquia Imaculado Coração de Maria – Rebouças

 

(Crédito: Daniel Castellano / Site Prefeitura de Curitiba)

A história da Paróquia Imaculado Coração de Maria é antiga e data de 1900, quando o bispo Dom José Camargo Barros celebrou uma missa em comemoração aos 400 anos de chegada dos europeus na Terra de Santa Cruz. Nesse ato, benzeu a cruz de madeira colocada no centro do descampado, que passou, desde então, a ser conhecido como Campo da Cruz (atual Praça Ouvidor Pardinho). Na oportunidade, o primeiro bispo de Curitiba apontou para onde hoje se encontra a Igreja do Imaculado Coração de Maria e profetizou que aquele local brevemente iria abrigar importante instituição religiosa.

A Capela provisória foi abençoada em 24 de maio de 1908 e a festa em homenagem ao Imaculado Coração de Maria passou a atrair a população local. A casa dos missionários transformou-se em um centro popular de espiritualidade católica; o trabalho era imenso para o pouco número de religiosos claretianos estabelecidos em Curitiba. Então, foi cogitada a construção da Igreja do Imaculado Coração de Maria, em substituição a Capela provisória. Em 2010, a Igreja foi inaugurada.

É importante mencionar que a festa do Imaculado Coração de Maria celebrada pela primeira vez em 25 de maio de 1909 foi um acontecimento, pois contou com a imagem do Coração de Maria recém enviada de Barcelona. Aos poucos, o templo religiosos inaugurado em 1910 tornou-se pequeno para a frequência do crescente número de fiéis.

Como os padres tinham um desejo de erguer uma igreja definitiva capaz de abrigar mais fiéis, eles apresentaram a ideia ao então vice-governador do Paraná, Caetano Munhoz da Rocha e receberam total apoio. A planta arquitetônica do templo foi elaborada, gratuitamente, pela Diretoria de Obras Públicas do Município de Curitiba, na época sob a direção do engenheiro João Moreira Garcez.

O lançamento e a pedra fundamental ocorreram no dia do Imaculado Coração de Maria, em 17 de agosto de 1917. A Igreja foi inaugurada quatro anos depois, no dia 03 de dezembro de 1922. Depois de sofrer um incêndio, os missionários claretianos conseguiram o apoio da comunidade para o restauro e iniciaram atividades como o cinema e a escola, os cursos de corte e costura e da Academia Claret de Datilografia, além do atendimento aos assistidos pelo Centro Social.

As funções do cinema tiveram início no segundo semestre do ano de 1940. Em 1960, o cinema foi reaberto com novos equipamentos e preços reduzidos às crianças do catecismo. A última exibição do cine paroquial foi em 15 de outubro de 1966 com a apresentação da 300ª sessão.

Cinema que funcionava no salão nobre do edifício Beato Claret 1940 (Crédito: Acervo do Museu Claretiano de Curitiba)
Cinema que funcionava no salão nobre do edifício Beato Claret 1940 (Crédito: Acervo do Museu Claretiano de Curitiba)

Das atividades direcionadas para a devoção ao Imaculado Coração de Maria destaca-se a das Capelinhas das Visitas Domiciliárias. Criadas em 1937, formavam 9 coros compostos, cada um, compostos por 30 famílias e percorriam mensalmente um itinerário pré-estabelecido dentro dos limites da Paróquia do Imaculado Coração de Maria, pioneira ao implantar as Capelinhas na Diocese de Curitiba. A visita das capelinhas extrapolou, porém, os limites da Paróquia e, após autorização dos respectivos vigários, percorriam outras localidades, espalhando-se pela cidade.

A Paróquia Imaculado Coração de Maria fica na Avenida Presidente Getúlio Vargas, 1193, no Bairro Rebouças, em Curitiba (PR). Neste sábado (25), festeja a padroeira com venda de bolo e missas especiais.

:: “Bolo do Coração de Maria” terá mais de mil imagens no recheio

 

Santuário Sagrado Coração de Jesus – Água Verde

novo-vitral-patryck-madeira-arquidiocese-de-curitiba-2
Foto: Patryck Madeira/Arquidiocese de Curitiba

A Colônia Conselheiro Dantas, primeira denominação do atual Bairro Água Verde, em Curitiba fundada por imigrantes italianos por volta do ano de 1878, recebeu o primeiro sacerdote italiano, padre João Cibeo, Jesuíta de Nova Trento, S.C., em 1880, celebrando a missa em uma casa. Ele entusiasmou os colonos italianos para construírem a primeira Igreja no Água Verde.

A inauguração da igreja de alvenaria – com a torre e os sinos que existem até hoje – aconteceu em 29 de junho de 1888, pelo padre Pietro Colbachini. Em 1954 foi criada a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, sendo nomeado o primeiro pároco padre Francisco Starzynski, que tomou posse no dia 29 de junho do mesmo ano.

O maior problema inicial da nova paróquia era substituir a pequena igreja matriz por um templo que atendesse ao grande desenvolvimento do bairro. Dom Manuel quis que em Curitiba fosse construída a ampla igreja do Sagrado Coração de Jesus, pedindo ao Arquiteto Dr. Euro Brandão que a projetasse e ao Pe. Francisco Starzynski e paroquianos que a levantassem. Em julho de 1959, iniciou-se a construção da atual igreja, que é uma das maiores da capital paranaense.

No centenário da Consagração da então Diocese de Curitiba ao Sagrado Coração de Jesus, no dia 30 de junho de 1999, a matriz foi elevada à categoria de Santuário Arquidiocesano, sendo o primeiro reitor o Padre Octávio Aládio Vaz Filho.

Em 2019, depois de uma grande campanha e colaboração dos devotos inaugurou-se o vitral central, que contém uma rica catequese sobre o Sagrado Coração de Jesus. O vitral mede aproximadamente 200 metros quadrados, sendo o maior entre as igrejas do Paraná.

O Santuário do Sagrado Coração de Jesus fica na Avenida Água Verde, 1018, em Curitiba (PR). Por ser o padroeiro, a Solenidade em honra ao Sagrado Coração de Jesus será celebrada no dia 26 de junho, com missa festiva às 10h30, seguida de churrasco.

 

Santuário Nossa Senhora do Sagrado Coração (Igreja Preta) – Pinheirinho

 

Conhecida como “Igreja Preta”, o termo surgiu há muito tempo. A construção da primeira igreja data de 1952 e, por ser de madeira, foi pintada com óleo queimado para conservá-la dos cupins. Com o passar dos anos, a madeira escureceu e os fiéis passaram a chamá-la desta forma. O termo ficou tão popular que mesmo com a construção da nova igreja, em 2010, a comunidade mantém o “apelido” até hoje.

A imagem da Nossa Senhora que está na frente do Santuário é preta porque, por ser de bronze, escureceu com o tempo. Mas não tem nenhuma relação com o “apelido” dado à igreja.

O Santuário Nossa Senhora do Sagrado Coração fica na R. Nicola Pellanda, 545 – Pinheirinho, Curitiba – PR.

__

Por

Setor de Comunicação da Arquidiocese de Curitiba