Observatório Astronômico Vaticano retoma seu calendário regular após pausa causada pela pandemia

Em junho de 2023, vinte e cinco jovens astrônomos de todo o mundo se reunirão na sede do Observatório Astronômico Vaticano, em Castel Gandolfo, para uma Escola de Verão de Astrofísica de quatro semanas. Essas Escolas de Verão do Observatório Astronômico Vaticano, realizadas desde 1986, estão entre as iniciativas mais importantes do organismo. Espera-se que a escola de 2023 marque um retorno ao seu calendário regular de dois anos, após uma pausa de cinco anos causada pela pandemia da Covid-19.

O tema desta 18ª Escola de Verão é “Aprendendo o Universo: Ferramentas de Ciência de Dados para Pesquisas Astronômicas”. Viviana Acquaviva, do Instituto Flatiron e da Universidade de Nova York, e Željko Ivezić, da Universidade de Washington e do Observatório Vera C. Rubin, guiarão um grupo de professores que inclui alguns especialistas mundiais na aplicação dos princípios da “Machine Learning” (Aprendizagem de Máquina) aos estudos astrofísicos.

À medida que os telescópios se tornam mais poderosos e os instrumentos sobre eles se tornam mais sensíveis, a quantidade de dados astronômicos que os cientistas precisam entender cresceu muito. Grandes pesquisas astronômicas já mediram bilhões de fontes celestes; pesquisas futuras, como a do novo Observatório Rubin, produzirão catálogos de dezenas de bilhões de estrelas e galáxias e trilhões de diferentes medições precisas. A Escola de Verão do Observatório Astronômico Vaticano 2023 explorará a ciência por trás dessas observações, apresentará os conceitos de Big Data e Machine Learning e fornecerá experiência prática de análise de dados que permitirá que os alunos usem esses conjuntos de dados para seus próprios projetos astronômicos.

A Escola de Verão está aberta a graduandos avançados em astronomia e estudantes de doutorado de todo o mundo. A maioria dos alunos selecionados vem de países em desenvolvimento. As aulas são gratuitas e um apoio financeiro é fornecido por benfeitores através da Fundação Observatório Vaticano, garantindo assim que todos os estudantes aceitos possam participar.

Desde sua fundação, há quase 40 anos, as Escolas de Verão do Observatório Vaticano influenciaram a vida de mais de 400 jovens astrônomos e, quando voltam para casa, também a de seus amigos e colegas. As escolas sempre foram fortemente apoiadas pelos Papas ao longo dos anos e quase todas as escolas receberam uma audiência privada com Sua Santidade.

Os docentes das Escolas de Verão do Observatório Vaticano incluem importantes astrônomos dos mais prestigiados Observatórios e Universidades em todo o mundo. Dentre eles estava Vera C. Rubin (que fez parte do primeira Escola); George e Marsha Reike, atualmente os principais cientistas das câmeras infravermelhas transportadas pelo Telescópio Espacial James Webb; e Didier Queloz, vencedor do Prêmio Nobel de Física de 2019. Entre seus ex-alunos proeminentes está Heino Falcke, um cientista-chave do Event Horizon Telescope que foi o primeiro a fotografar a sombra de um buraco negro e recentemente fotografou o buraco negro no centro da Via Láctea.

Os professores da Escola de Verão do Observatório Astronômico Vaticano 2023, além de Acquaviva e Ivezić são: Dalya Baron, Observatórios Carnegie; Sociedade Marc Huertas, Instituto de Astrofísica das Canárias/Observatório de Paris; Francisco Antonio Villaescusa Navarro, Flatiron Institute/Princeton University.

O decano da Escola será o Dr. Alessandro Omizzolo do Observatório Vaticano e da Universidade de Pádua.

Mais informações podem ser encontradas AQUI.

Chris Graney, Vatican Observatory and Vatican Observatory Foundation

c.graney@vaticanobservatory.org

__

FONTE: Vatican News