O trabalho é necessário para garantir uma vida digna

“Causar uma perda de postos de trabalho significa causar um grande dano social. Eu me entristeço quando vejo que há gente sem trabalho, que não encontra trabalho e não tem a dignidade de levar o pão para casa”, pontuou o papa Francisco na catequese desta quarta-feira, 19 de agosto, no Vaticano.

O pontífice dedicou a reflexão para falar da relação da família com o trabalho. Para ele, a atividade profissional traz dignidade ao homem, assim como a festa, é sagrada, faz parte do projeto criador de Deus e não pode faltar a nenhuma família.

Francisco lembrou, também, que o trabalho é necessário para manter a família e garantir a seus membros uma vida digna: “A família educa ao trabalho com o exemplo dos pais: o pai e a mãe que trabalham pelo bem da família e da sociedade”.

“É na família que se aprende o valor do trabalho, da sua importância para garantir uma vida digna para as pessoas caras. O trabalho também tem uma dimensão espiritual. Oração e trabalho devem coexistir em harmonia, pois uma inspira e dá sentido ao outro. Jesus nasceu no seio de uma família de trabalhadores; era chamado ‘o filho do carpinteiro’”, recordou Francisco.

Oração e responsabilidade

Durante a catequese, o papa citou, ainda, a harmonia que deve existir entre trabalho e oração. Lembrou que a falta de trabalho é ruim para o espírito, assim como a falta de oração prejudica também a atividade prática. “O trabalho é sagrado e, por isso, sua gestão é uma grande responsabilidade humana e social que não pode ser deixada nas mãos de poucos”, destacou.

Neste contexto, o papa explicou que o trabalho faz parte do projeto criador de Deus, não podendo separar a atividade da aliança divina, tornando-se refém da lógica do lucro; e desprezando os afetos da vida, a degradação da alma contamina tudo.

“A vida civil se corrompe e o habitat se arruína. As consequências atingem, sobretudo, os mais pobres, as famílias mais pobres. A organização moderna do trabalho mostra, às vezes, uma perigosa tendência a considerar a família como um obstáculo, um peso, uma passividade para a produtividade do trabalho. Contudo, perguntemo-nos: qual produtividade? E para quem?”, questionou Francisco.

Na ocasião, o pontífice convocou as famílias cristãs a propagar os fundamentos da criação de Deus, que segundo ele, não é tarefa fácil, requer fé e perspicácia.

Ao final, o papa saudou os peregrinos reunidos na catequese: “Dirijo uma saudação cordial a todos os peregrinos de língua portuguesa, particularmente os fiéis de Portugal e do Brasil. Faço votos de que esta peregrinação possa reforçar em vós a fé em Jesus Cristo, que chama todas as famílias a colaborarem na construção de um mundo mais justo e belo. Que Deus abençoe a cada um de vós!”.

Fonte: CNBB com informações do News.va
Curta Nosso Facebook
Comissões Pastorais

Boletim Informativo