Missa de envio de Dom José Mario Angonese – 6 de julho

dom

No dia 6 de julho, 19h, participe da missa de envio de Dom José Mário Scalon Angonese à sua missão de pastoreio na Diocese de Uruguaiana (RS).

Dom José Mário esteve em Curitiba como bispo auxiliar desde abril de 2013. Em 31 de maio de 2017 veio a notícia do Vaticano: foi nomeado como Bispo da Diocese de Uruguaiana (RS) e sua posse nesta Diocese será em 20 de julho.

A Arquidiocese de Curitiba tem enorme gratidão pelos 4 anos em que contou com Dom José Mario como Bispo Auxiliar. Vamos, no dia 6 de julho realizar a missa em ação de graças para o envio de nosso querido bispo para sua nova missão.

6 de julho (quinta-feira)
19h
No Santuário Nossa Senhora do Carmo (Av. Marechal Floriano Peixoto, 8520)
MISSA DE ENVIO DE DOM JOSÉ MARIO A SUA NOVA MISSÃO
*’Eis-me aqui, Envia-me’ é o Lema episcopal de Dom José Mario, inspiração vinda do profeta Isaías, que evidencia a disposição de obediência à vontade de Deus.

 

img-dom-jose-mario-scalon-angoneseSobre os 4 anos de Dom José Mário Scalon Angonese como bispo auxiliar de Curitiba:

Neste período de quatro anos destacou-se muito pelo seu envolvimento na pastoralidade de nossa Arquidiocese. Foi o bispo que acompanhou a transição entre dois episcopados: Dom Moacyr José Vitti e Dom José Antônio Peruzzo.

Um pastor simples, com clareza em sua comunicação e uma forte presença em meio aos padres e às comissões pastorais de nossa Igreja Local. Foi o bispo referencial da Região Episcopal Norte, sendo presença constante nas 40 paróquias, nas reuniões de setor e nos grandes eventos como o EREN (Encontro da Região Episcopal Norte).

Auxiliou de perto a Comissão Juventude, a Comissão Bíblico-Catequética, a Comissão Família e Vida, a Comissão do Ecumenismo e Diálogo Inter Religioso e a PASCOM Arquidiocesana. Dom José Mario foi referencial para o Diaconato Permanente da Arquidiocese de Curitiba, envolvendo os Diáconos Permanentes em diversas ações pastorais.

Um dos grandes destaques do bispo, e que será certamente a marca que deixa entre nós, foi sua atuação junto à Equipe de Animação Missionária. Desde 2013 ele vem acompanhando este grupo e foi responsável por articular o Ano Missionário, em 2015, bem como o
Estado Permanente de Missão que dele decorre.

Dom José Mario foi fundamental para reforçar na Arquidiocese a importância de o missionário sair para formar comunidade. Em outras palavras, pode ser considerado um dos maiores apoiadores das Pequenas Comunidades de Fé reunidas ao redor da Palavra de Deus.

Conheça a trajetória do Bispo:
Dom José Mário nasceu no dia 1º de junho de 1960 no município de Unistalda no estado do Rio Grande do Sul, filho de Roberto Antônio Angonese e Henrica Scalon Angonese. Entre os anos de 1983 e 1989 cursou Filosofia e Teologia no Seminário Maior de Viamão, da Arquidiocese de Porto Alegre. Obteve Licenciatura em Filosofia, com especialização em Psicologia da Educação da Faculdade de Filosofia, em Canoas. Foi ordenado sacerdote no dia 16 de dezembro de 1989, por Dom José Ivo Lorscheiter.

Dos anos de 1990 a 2002 foi Assistente do Seminário Menor São José e promotor da Pastoral Vocacional, na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Foi Diretor Espiritual (1991-1998) e reitor do Seminário Menor de São José (1999-2001), pároco da paróquia Santíssima Trindade em Nova Palma (2002-2010). Desde 2011 era pároco da Paróquia da Ressurreição e Reitor do Seminário Maior Arquidiocesano São João Maria Vianney, em Santa Maria

Atendendo a um pedido de Dom Moacyr Vitti, arcebispo de Curitiba, o Papa Bento XVI nomeou, em 20 de fevereiro de 2013 o então padre José Mário como bispo titular de Giufi e auxiliar de Curitiba. Sua sagração episcopal foi presidida por Dom Moacyr Vitti em 28 de abril do mesmo ano, na Basílica da Medianeira, em Santa Maria, tendo como co-ordenantes Dom Hélio Adelar Rubert, arcebispo de Santa Maria e Dom José Mário Stroeher, bispo de Rio Grande.

Seu lema é inspirado no profeta Isaías, evidencia a disposição de obediência à vontade de Deus. O chamado exige desprendimento e absoluta disposição, prontidão para servir, abandonando-se nas mãos de Deus. É d’Ele a igreja, a criatura humana, vocacionada, simples ferramenta. A súplica pelo envio manifesta o desejo de servir, um grito por um discipulado missionário.

Lema Episcopal: ‘Eis-me aqui, Envia-me’