Em carta aos padres, Dom Peruzzo salienta importância de medidas de contenção da Covid, suspendendo até mesmo a comunhão em drive-thru

Dom Peruzzo orienta que não sejam celebradas missas presenciais, suspendendo inclusive a Comunhão em drive-thru (Foto: Patryck Madeira/Arquidiocese de Curitiba)
Dom Peruzzo orienta que não sejam celebradas missas presenciais, suspendendo inclusive a Comunhão em drive-thru (Foto: Patryck Madeira/Arquidiocese de Curitiba)

O arcebispo metropolitano de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, emitiu, no início da noite deste sábado, uma nova carta com orientações aos padres da capital, em atendimento ao Decreto baixado pela prefeitura municipal. As principais medidas são a suspensão das missas presenciais e da distribuição da Santa Comunhão, que, até então, estava autorizada no sistema de drive-thru.

Dom Peruzzo esclareceu que as medidas são direcionadas às paróquias de Curitiba, mas disse que, em vista da gravidade da situação de avanço dos casos de Covid-19, do agravamento dos casos e da falta de vagas nos hospitais, os municípios da Região Metropolitana deveriam seguir as mesmas recomendações. “As mortes crescem; os mortos são cada vez mais jovens; os lugares nos hospitais já escasseiam; os profissionais de saúde adoecem e/ou estão já sem forças. Já estão eles muito próximos de ter que decidir qual do pacientes receberá oxigenação e qual deles não receberá. Estão prestes a ter que decidir quem vive e quem não viverá”, lamentou o arcebispo. “O Decreto de ontem vale para as paróquias do município de Curitiba. Todavia, seria recomendável que as outras dos municípios da Arquidiocese adotassem estes mesmos critérios. No início da próxima semana serão consultadas pessoas do ramo da saúde pública. Se da parte delas houver conselhos vivazes em favor do isolamento, independente das prefeituras será tomada uma decisão para as paróquias”, acrescentou.

Na carta, o arcebispo respondeu aos que insistem em argumentar que as Igrejas deveriam permanecer abertas, aqueles que usam os argumentos de que “Deus protege os seus”. Segundo Dom Peruzzo, isso não é demonstração de fé. Pelo contrário, seria como testar Deus. E cita passagens bíblicas para conclamar a todos para agirem com responsabilidade neste momento preocupante: “Tais afirmações e comportamentos falam mais de um deus ídolo e menos de um Deus Salvador. Isso mesmo, mais se idolatra a Deus do que se segue sua Palavra e se acolhe a sua verdade. UM exemplo entre centenas de reflexões bíblicas: “Tomai cuidado, porém, para que essa vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos…” (1Cor 8,9)”, registra Dom Peruzzo no documento encaminhado aos padres de Curitiba.

Em resumo, as orientações para as práticas religiosas, que devem ser observadas até o dia 21 de março, retiradas do próprio comunicado enviado pelo líder religioso aos sacerdotes, são as seguintes:
a) As Missas somente podem ser celebradas estando as Igrejas fechadas. Celebra o padre e mais algum(a) assessor(a). Transmite-se pelos meios digitais, além do rádio e/ou TV onde é possível. Não mais se dá a sagrada comunhão no carro, fora da Igreja (Drive-Thru), como escrito anteriormente. Isso para evitar ao máximo a circulação de pessoas.

b) Durante a vigência do Decreto (até 21.03 inclusive) as Igrejas devem permanecer fechadas. Também neste caso, para limitar ao máximo a circulação de pessoas.

c) Permitidos atendimentos individuais. Claro, com todos os cuidados e proteções.

d) Permanecerão fechadas as secretarias paroquiais. O trabalho das(os) atendentes. Se possível busque-se o chamado teletrabalho (home office). O mesmo se fará com os trabalhos de Cúria Metropolitana.

e) Em casos da Unção dos Enfermos, particularmente ante riscos de morte, faça-se o possível para atender (Há hospitais que nestes tempos pandêmicos não autorizam). Neste caso use-se dúplice máscara. Também escudo facial, se tiver.
Por fim, a carta termina rogando sabedoria dos sacerdotes e, em tom de oração, Dom Peruzzo exclama: “Que não nos falte o discernimento do Espírito Santo!”

 

Jornalista Adriane Werner (Mtb 3413), coord. Comunicação da Arquidiocese de Curitiba

Contatos: [email protected], (41) 9 8740-2204