Simpósio de Teologia Prática da PUC Minas aborda reflexões sobre transmissão da fé na era digital

O Instituto de Filosofia e Teologia (IFT) da PUC Minas promove, de 4 a 6 de outubro, o II Seminário Internacional de Teologia Prática. A atividade, que acontecerá de forma on-line pelo canal do IFT no YouTube, terá como tema “A transmissão da fé cristã na era digital”. O objetivo do evento é compreender o cenário contemporâneo da era digital e propor caminhos para práticas pastorais que melhor favoreçam a transmissão da fé nesse ambiente.

Repensar métodos, linguagem, conceitos


Professor Dr. Jean Richard Lopes

Segundo o coordenador geral do seminário, professor Dr. Jean Richard Lopes, a pandemia da covid-19 impulsionou uma maior presença da teologia, ou melhor dizendo, das teólogas e teólogos nas redes de comunicação online.

“A grande novidade é o fato de que as redes, apesar de serem modalidades de comunicação virtuais, constituem um ambiente existencial que permeia a vida na sua totalidade. Isso quer dizer que não se trata mais de uma realidade paralela àquela presencial/material, mas sim concomitante a essa última, gerando novas formas de interação, de trocas de conhecimento, de informação, de divagação e de entretenimento. Com isso as redes têm mudado o modo como as pessoas se relacionam e, inclusive, como se compreende a vida, o ser humano, o mundo. Assim, desafiada por novas concepções de mundo, novas demandas, a teologia sentiu-se impulsionada a repensar métodos, linguagem, conceitos a fim de fazer-se presente de forma ativa e consistente nas redes e, claro, interagir com os habitantes dessas mesmas redes”, afirmou.

Sobre a motivação para escolha do tema, Lopes destacou que, antes da pandemia, já havia iniciativas de presença da igreja nas redes, seja por algum envolvimento pastoral, grupos específicos ou indivíduos. Tal acentuação, levou um grupo de professores de Teologia do instituto a pensar na urgência de se pensar sobre como transmitir a fé numa linguagem compreensível e que alcance as pessoas.

“Durante a pandemia, houve uma verdadeira explosão de iniciativas; muitas delas voluntaristas, pouca preparadas. Embora pareça simples, comunicar-se nas redes de forma efetiva não é para amadores. É preciso pensar o funcionamento das redes, os perfis dos seguidores, encontrar uma linguagem atrativa e, ao mesmo tempo, consistente, sobretudo no que diz respeito à evangelização – se, de fato, queremos fazer evangelização e não doutrinação.”

Eventos aberto e gratuito

Para o organizador, o simpósio quer não só refletir as dificuldades, lacunas sobre a transmissão da fé nas redes, mas propor caminhos, instrumentos, metodologias que ajudem a transmitir a fé nas redes. “Para isso foram convidados vários especialistas, homens e mulheres, inclusive de outros países, para nos ajudarem a aprofundar o tema e a identificar pistas de trabalho”, afirmou.

As discussões nos três dias de seminários são direcionadas a agentes de pastoral, presbíteros, pastores, pastoralistas, evangelizadores, estudantes e professores de cursos de graduação e pós-graduação, pessoas de boa vontade interessadas no tema.

 

Conferência de abertura

A conferência de abertura, no dia 04, às 19h30, com o tema central do evento, será proferida pelo teólogo Armando Matteo, subsecretário da Congregação para a Doutrina da Fé e professor de Teologia na Pontifícia Universidade Urbaniana, em Roma.

O conferencista abordará que a transmissão da fé desenvolve-se por meio de duas realidades entrelaçadas. A primeira é a comunidade de fé que, na escuta do evangelho, compreende-se de uma forma específica em cada época, pois ela própria é evangelizada pela Palavra que comunica. A segunda diz respeito à sua missão no mundo, à proclamação do mesmo evangelho a todas as gentes. Esse entrelaçamento exige que a Igreja, dócil ao Espírito Santo, esteja atenta às novas circunstâncias existenciais, reelabore a sua mensagem e se arrisque em novos caminhos pastorais e comunicativos para melhor testemunhar Jesus Cristo e o Reino de Deus. Quais são os desafios que as igrejas devem enfrentar interna e externamente para a transmissão da fé na era digital?

 

Conferências, painéis e oficinas fazem parte da programação

No segundo dia, 5 de outubro, os trabalhos têm início às 8h e a primeira atividade será o painel com o tema Da conexão à comunhão: a rede como espaço eclesial, com professora Dra. Mariel Caldas e professor Dr. Moisés Sbardelotto. A moderadora será a professora Dra. Solange Maria do Carmo. A partir de 10h15, acontecem oficinas com as abordagens:

1) Evangelização dos nativos digitais – professor Ms. André Carvalho Santos

2) Catequese On-life: do tradicional ao digital – professora Dra. Aline Amaro da Silva

3) Liturgia (e sacramentos) na era digital – professor Ms. Danilo Cesar

4) Ética na internet – professor Dr. Oton da Silva Araújo Júnior

5) Youtubers da fé – professora Dra. Patrícia Garcia

6) O fundamentalismo bíblico na rede: caminhos de superação – professora Dra. Aíla L. Pinheiro de Andrade

7) A espiritualidade na rede – professor Dr. Alfredo Sampaio Costa Junior, SJ

8) Transmissão da fé e igrejas inclusivas – professora Dra. Maria Cristina Furtado

A tarde da quarta-feira, 5, está reservada para comunicações a partir dos grupos temáticos: Pastorais de anúncio e formação; Pastorais sociais e de fronteira; Temas abertos. Na programação noturna, a conferência A transmissão da fé na arquitetura das redes será proferida pela professora Dra. Joana Puntel

No último dia do simpósio, 06, uma mesa redonda com o tema Desarticulação pastoral e infodemia: desafios e consequências terá como debatedores o professor Ms. Dom Joaquim Giovanni Mol Guimarães e a professora Dra. Magali Cunha.

A conferência de encerramento, com o tema Internet e fé cristã: caminhos e desafios contará com a participação da comunicadora Majo Centurión.

 

Outras informações e inscrições para comunicações

Para participar do evento, não é necessária inscrição prévia. Para quem deseja apresentar comunicação, a inscrição acontece pelo site do evento.

__

FONTE: Pascom Brasil